Testes Pré-Natais

Rastreio pré-natal não invasivo

Teste pré-natal não invasivo para deteção de alterações cromossómicas no feto

Existem atualmente no mercado português testes de rastreio pré-natal não invasivo que permitem despistar as trissomias mais frequentes (trissomias 21, 18 e 13). São testes fáceis de realizar, sendo apenas necessário fazer uma colheita de sangue materno, que posteriormente é analisado, não apresentam riscos nem para a mãe nem para o bebé, e podem ser realizados a partir das 9 semanas de gravidez. A sua realização permite reduzir o número de testes invasivos (amniocentese ou biópsia das vilosidades coriónicas) em grávidas, procedimentos que envolvem riscos e como tal devem ser realizados apenas às mulheres grávidas que se considera terem risco suficientemente elevado que justifique a realização de um teste diagnóstico invasivo.
O rastreio pré-natal não invasivo utiliza como matéria-prima material genético fetal (células fetais íntegras ou ácidos nucleicos de origem fetal) obtido a partir da circulação materna e permite detetar algumas condições genéticas ou patologias, no início da gestação. As células fetais íntegras ou ácidos nucleicos de origem fetal na circulação materna permitem a quantificação do ADN fetal livre e esta avaliação permite detetar o risco de aneuploidia associado à gravidez em causa. As aneuploidias fetais (isto é, alterações genéticas que conduzem a um número anormal de cromossomas) mais comuns são as trissomias 21, 18 e 13. O ADN derivado do cromossoma extra origina uma proporção de ADN fetal superior ao que seria expectável para uma gestação normal e é na capacidade de deteção deste pequeno aumento de material na circulação materna que assenta o rastreio não invasivo das aneuploidias fetais.
Das aneuploidias mais frequentes, a Trissomia 21 (T21) ou Síndrome de Down é a anomalia cromossómica mais comum em recém-nascidos e a causa congénita mais frequente de atraso mental de origem genética. Na ausência de qualquer tipo de rastreio, cerca de 1 em cada 700 fetos nascem com T21. A Síndrome de Down é a principal causa de défice cognitivo, habitualmente moderado a grave e por esta razão a interrupção eletiva destas gravidezes é opção para muitos casais. Está associada a diversas anomalias congénitas que conduzem a um aumento de morbilidade e mortalidade neonatais, sendo as malformações cardiovasculares as mais frequentes seguidas das malformações gastrointestinais. Outras anomalias congénitas associadas a T21 incluem as malformações dos membros, do trato urinário e cataratas congénitas.

PrenaTest®
O PrenaTest® é um teste pré-natal totalmente seguro para o bebé e que permite detetar com precisão as mais importantes alterações cromossómicas, a partir da nona semana de gestação.
O PrenaTest® foi desenvolvido em conformidade com as rigorosas normas de qualidade europeias e é o único teste com a certificação CE da União Europeia devido aos seus elevados padrões de qualidade.
O que distingue o PrenaTest®?

  • Experiência: Primeiro teste pré-natal não invasivo efetuado na Europa
  • Qualidade Europeia: Único teste disponível com certificação de qualidade Europeia CE, garantindo aos pais maior segurança nos resultados obtidos.
  • Rapidez: Opção de receber os resultados em 4 – 5 dias úteis
  • Fiabilidade: Baixa probabilidade de repetição do teste
  • Segurança: Atendimento personalizado para esclarecer todas as suas dúvidas

Aconselhe-se junto do seu médico se o PrenaTest® se adequa à sua situação.
Encontre informação detalhada em http://www.prenatest.pt/